Lam Yik Fei/The New York Times
Lam Yik Fei/The New York Times

Polícia prende quase 300 manifestantes em protesto contra adiamento de eleições em Hong Kong

Votação estava inicialmente prevista para este domingo e permitiria a renovação do Conselho Legislativo, mas foi adiada pelo Executivo em razão da pandemia

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de setembro de 2020 | 17h26

Hong Kong - Quase 300 pessoas foram presas neste domingo, 6, pela polícia de Hong Kong, durante manifestações contra o adiamento das eleições legislativas. A votação estava inicialmente prevista para este domingo e permitiria a renovação do Conselho Legislativo, uma das raras ocasiões para os cidadãos exercerem o voto.

A chefe do Executivo local, Carrie Lam, nomeada por Pequim, anunciou no dia 31 de julho o adiamento das eleições por um ano em razão da pandemia de coronavírus, despertando a ira da oposição que pretendia expressar sua oposição ao governo.

Centenas de policiais de choque foram posicionados no bairro de Kowloon para impedir os chamados ao protesto pela internet. Ao longo da tarde, a polícia foi criticada pelos manifestantes, que gritavam "devolva o meu voto" e "policiais corruptos", enquanto os agentes realizavam várias prisões, revistavam pessoas e ordenavam a dispersão da multidão.

Em um comunicado postado no Facebook, a polícia declarou que  289 pessoas foram presas, a maioria por participar de uma manifestação não autorizada.

【油麻地及旺角289人被捕 當中270人涉非法集結】 【289 people were arrested in Yau Ma Tei and Mong... Publicado por 香港警察 Hong Kong Police em  Domingo, 6 de setembro de 2020

Uma mulher foi detida sob a nova lei de segurança imposta por Pequim em Hong Kong. Ela é acusada de gritar palavras de ordem em favor da independência, acrescentou a polícia. 

Vídeos transmitidos ao vivo mostraram que três figuras importantes do movimento pró-democracia - Leung Kwok-hung, Figo Chan e Raphael Wong - também foram presos. Essas prisões ocorreram após a detenção, no início da manhã, de um ativista pró-democracia pela unidade da polícia encarregada da segurança nacional.

O Escritório de Ligação chinês em Hong Kong classificou os manifestantes de "sem coração". Um porta-voz completou que "não haverá nenhuma tolerância com qualquer ato que viole a lei de segurança nacional".

O governo de Hong Kong condenou "os atos ilegais e egoístas" dos manifestantes. "Atualmente, a prioridade para Hong Kong é a união para lutarmos juntos contra o coronavírus", disse um porta-voz do governo do território.

Pequim lançou uma vasta campanha de repressão à dissidência de Hong Kong, após sete meses consecutivos de grandes protestos, muitas vezes violentos, que sacudiram o centro financeiro no ano passado. 

Praticamente todas as reuniões foram proibidas este ano, com as autoridades citando preocupações de segurança e medidas para combater o coronavírus. 

Desde a entrada em vigor, no final de junho, da nova lei de segurança, pelo menos 22 pessoas, incluindo o magnata dos meios de comunicação Jimmy Lai e a famosa ativista Agnes Chow, foram presas. 

Na sexta-feira, relatores especiais da ONU alertaram que a polêmica lei representa um risco para a liberdade e o direito de protestar na ex-colônia britânica. 

As autoridades de Hong Kong afirmam que esta nova legislação não afeta as liberdades de expressão e de reunião garantidas pelo princípio "um país, dois sistemas", estabelecido após a devolução em 1997 do território à China.

Muitos ativistas pela democracia denunciam, por sua vez, um texto liberticida./ AFP

Tudo o que sabemos sobre:
Hong KongCarrie Lamprotesto

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.