Polícia proíbe manifestações em frente a Cúpula da Asean

A atitude foi motivada pelos rumores de protestas contra as violações dos direitos humanos em Mianmar

EFE

18 de novembro de 2007 | 04h53

A Polícia de Cingapura proibiu neste domingo as manifestações em frente ao hotel onde acontecerá a 13ª Cúpula da Associação de Nações do Sudeste Asiático (Asean), após saber que alguns grupos planejavam protestar contra as violações dos direitos humanos em Mianmar (antiga Birmânia). Porta-vozes policiais assinalaram que os arredores do hotel Shangri-La são áreas protegidas, e que qualquer tentativa de manifestação em suas imediações será imediatamente neutralizada. A Polícia desdobrou domingo um forte dispositivo de segurança nas portas do local, onde na terça-feira acontecerá a Cúpula de chefes de Estado e de Governo da Asean. A reunião contará com a presença do primeiro-ministro birmanês, Thein Sein, a primeira aparição de um líder desse país num fórum internacional após as manifestações a favor da democracia de setembro, brutalmente reprimidas pela Juta Militar. A Asean é formada por Cingapura, Mianmar, Filipinas, Indonésia, Tailândia, Laos, Camboja, Vietnã, Brunei e Malásia.

Tudo o que sabemos sobre:
Cúpula da Asean, Mianmar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.