Polícia quer evitar confronto em Quebec

Segundo o capital Michel Martin, da polícia municipal de Quebec, a ação para conter os manifestantes mais agressivos na Cúpula das Américas foi feita com base em lições aprendidas em confrontos semelhantes nos últimos anos, como o de Seattle (na reunião da Organização Mundial de Comércio), e em Washington e Praga (em reuniões do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial). ?A principal lição é a de evitar ao máximo os confrontos diretos com os manifestantes?, disse Martin. Esta estratégia, segundo o policial,foi a razão do emprego maciço de gás lacrimogênio em Quebec. As balas de plástico, ele continuou, só foram empregadas quando manifestantes setornavam realmente ameaçadores para os policiais ou para outras pessoas ? no caso de lançamento de coquetéis molotov, por exemplo. Martin disseque as balas de plástico são disparadas por policiais treinados para isto, de tal forma a atingir partes do corpo onde não produzemferimentos sérios.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.