Polícia reduz para 76 número total de mortos em ataques na Noruega

Segundo nova estimativa, 68 - e não 85 - morreram na ilha de Utoya; em Oslo, número subiu para 8

Efe

25 de julho de 2011 | 12h57

Atualizado às 16h02

 

OSLO - A polícia norueguesa corrigiu nesta segunda-feira, 25, para 76 o número total de mortes nos dois atentados ocorridos no país na sexta-feira, após reduzir de 85 para 68 o número de vítimas no encontro de jovens do Partido Trabalhista na ilha de Utoya, e elevar de 7 para 8 o de mortos no complexo governamental da capital, Oslo.

 

Veja também:

linkVítimas postaram no Twitter antes de polícia ser avisada, diz ex-ministra

linkExtremista cristão planejou por 18 meses ataques terroristas na Noruega

linkReis e súditos choram a tragédia norueguesa

blog TOLEDO: Por que a Noruega?

link OPINIÃO: Terror em Oslo
video VÍDEO: Os danos após a explosão em Oslo 
lista Relembre ataques terroristas na Europa

 

O anúncio foi feito durante uma conferência de imprensa em Oslo. A polícia havia afirmado mais cedo que ainda procura por quatro pessoas desaparecidas na ilha de Utoya, que provavelmente teriam se afogado ao tentar fugir.

 

Os atentados ocorreram na sexta-feira, perpetrados por Andres Behring Breivik, um extremista cristão, que disse ter agido para para combater a "dominação muçulmana". Segundo a polícia, o suspeito afirmou haver "mais duas células" que atuam com o mesmo intuito.

 

Em Oslo, uma explosão atingiu um dos prédios do governo no centro da cidade. Na ilha, Breivik entrou vestido de policial e abriu fogo contra os jovens, que estavam reunidos para o acampamento anual do Partido Trabalhista.

 

De acordo com a lei norueguesa, Breivik pode ser sentenciado a um máximo de 21 anos de prisão. A sentença pode ser estendida se o prisioneiro for considerado uma ameaça à segurança pública.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.