Polícia reforça segurança no início do ano letivo na Rússia

As autoridades russas reforçaram as medidas de segurança em todas as escolas do país por causa do começo do ano letivo, sexta-feira (1), segundo aniversário do massacre terrorista na escola número 1 da cidade de Beslan, na Ossétia do Norte. O Ministério do Interior determinou que a polícia retire todos os automóveis abandonados nas imediações das escolas e outros centros docentes. Latas de lixo e outros objetos que possam serusados para ocultar bombas também serão removidos. Segundo o chefe adjunto do Departamento de Ordem Pública, Mikhail Artamoshkin, os participantes das cerimônias de abertura do ano letivo serão submetidos ao controle de armas e explosivos. No dia 1 de setembro de 2004, um comando terrorista checheno invadiu a escola número 1 de Beslan e fez 1.127 reféns, em sua maioria mulheres e crianças. Após 52 horas de seqüestro uma explosão no interior da escola desencadeou uma confusa operação de resgate. Morreram 318 reféns,três socorristas e 10 agentes do Serviço Federal de Segurança (FSB, antiga KGB). A polícia afirma que a explosão foi acidental. Houve um falso alarme nesta quinta-feira numa escola de Izberbash, na parte central do Daguestão, república russa vizinha da Chechênia, no Cáucaso Norte. As autoridades locais informaram inicialmente que duas minastinham sido encontradas no interior da escola, mas pouco depois explicaram que eram duas maquetes usadas nas aulas de preparação militar primária.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.