Polícia religiosa saudita declara Barbie imoral

A polícia religiosa da Arábia Saudita declarou a boneca Barbie uma ameaça à moralidade, reclamando que as roupas reveladoras do brinquedo "judeu" ? já banido no reino ? ofendem o Islã. O Comitê para a Propagação da Virtude e Prevenção do Vício, nome oficial da polícia religiosa, cita a boneca numa seção de sua página na internet dedicada a itens considerados ofensivos, segundo a interpretação saudita conservadora do Islã."As bonecas Barbie judias, com suas roupas reveladoras e posturas indecorosas, acessórios e instrumentos, são um símbolo de decadência do Ocidente pervertido. Atentemos a seus perigos e tenhamos cuidado", diz um cartaz reproduzido no site.Os cartazes estão sendo distribuídos em escolas e afixados nas ruas pela polícia religiosa, ou muttawa, um órgão independente, ligado ao escritório do primeiro-ministro. Não havia funcionários do órgão disponíveis para comentar o assunto.Embora ilegal, a Barbie, criação da fábrica californiana Mattel Inc., é encontrada no mercado negro, onde um exemplar contrabandeado pode custar 100 riais sauditas (US$ 27) ou mais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.