Polícia reprime com violência protesto de estudantes no centro de Santiago

A polícia chilena reprimiu ontem uma manifestação de estudantes que exigiam reformas no sistema educacional do país. Cerca de mil policiais usaram bombas de gás lacrimogêneo e jatos de água para impedir que uma marcha fosse formada no centro de Santiago. O ministro do Interior, Rodrigo Hinzpeter, havia afirmado na quarta-feira que qualquer protesto seria considerado "ilegal". "As marchas encontram-se fora da margem da lei, pois não foram autorizadas", disse. A líder estudantil Camila Vallejo criticou a ação da polícia. "A nova forma de governar não é tão nova, se parece bastante com uma que vivemos durante 17 anos", disse ela, em referência ao regime do ditador Augusto Pinochet.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.