Polícia reprime manifestação e prende 50 pessoas no Irã

As forças de segurança do Irã entraram em confronto hoje com manifestantes da oposição, reunidos para homenagear o grão-aiatolá Hosein Ali Montazeri, líder espiritual do movimento reformista no país, que morreu no domingo. Mais de 50 pessoas foram detidas. Os manifestantes se reuniram na mesquita principal da cidade de Isfahan, 325 quilômetros a sudeste de Teerã.

AE/AP, Agencia Estado

23 de dezembro de 2009 | 14h06

Entre os mais de 50 presos está o clérigo oposicionista Masoud Adib, que deveria falar à congregação na mesquita, segundo os sites reformistas Salaamnews e Parlemannews. Ainda de acordo com os sites, homens e mulheres foram agredidos e foi utilizado gás lacrimogêneo contra as pessoas.

Milhares de pessoas marcharam pelas ruas, rumo à mesquita, até que a polícia e milicianos Basij começaram a intervir, segundo os sites. A imprensa internacional não está autorizada pelas autoridades locais a cobrir manifestações.

Após a morte de Montazeri houve várias cerimônias lembrando o religioso, que se converteram em protestos da oposição, apesar da repressão do governo aos manifestantes. O Irã vive um clima de tensão desde a votação presidencial de junho que, segundo a oposição, elegeu Mahmoud Ahmadinejad de modo fraudulento.

Tudo o que sabemos sobre:
Irãprotestoreformistas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.