Polícia reprime manifestações pela paz nos EUA

Manifestantes contrários à guerra voltaram às ruas de São Francisco para protestar nesta sexta-feira. As manifestações incluíram pessoas que se sentaram pacificamente nas ruas e em edifícios federais, vigílias silenciosas e barulhentas passeatas. Ao todo, quase 2.000 pessoas foram detidas pela polícia, de ontem para hoje.Com a promessa de fechar a cidade pelo segundo dia consecutivo, os pacifistas de São Francisco foram às ruas do distrito financeiro na manhã de hoje. De 80 a 100 pessoas acabaram detidas pela polícia.Ontem, a polícia de São Francisco prendeu cerca de 1.400 pessoas depois que milhares de manifestantes antiguerra tomaram as ruas da cidade, causando um colapso no trânsito.Os manifestantes também pararam o trânsito em cidades como Los Angeles e Washington.Em East Lansing, cerca de 100 manifestantes, alguns deles acorrentados uns aos outros, bloquearam uma avenida movimentada perto da Universidade Estadual de Michigan. A polícia prendeu 14 pessoas.A uma quadra da Casa Branca, cerca de 100 pessoas reuniram-se, algumas com falsas manchas de sangue em suas roupas e em bonecas e bichos de pelúcia que carregavam. Mais de 20 manifestantes foram presos por "atrapalharem o trânsito".Em Baltimore, cerca de 70 pacifistas caíram no chão, como se estivessem mortos, em protesto contra a guerra, em frente a um tribunal federal. Trinta acabaram na cadeia. Um dos manifestantes levava um cartaz que dizia "A guerra é assim", aludindo à representação das mortes em frente ao tribunal.Na Federal Plaza, em Chicago, foram detidos 15 dos cerca de 300 pacifistas.Em Mineápolis, cerca de 200 pessoas levaram um caixão gigante para representar um enterro simbólico, na frente de uma corte federal.A guerra contra o Iraque desencadeou uma das maiores ondas de protestos contra o governo norte-americano nos últimos anos, com manifestações e atos de desobediência civil em dezenas de cidades de todo o país. Porém, o início do conflito também gerou manifestações de apoio aos soldados."Os Estados Unidos estão agindo de uma forma totalmente agressiva", denunciou o pacifista Howard Lisnoff, que vestia uma máscara do presidente George W. Bush em Providence, Rhode Island, e levava um cartaz que dizia "criminoso de guerra".Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.