Polícia reprime protesto contra Mubarak no Egito

A polícia egípcia entrou em confronto hoje com milhares de manifestantes no centro do Cairo. Os participantes do protesto pediam o fim do regime do presidente Hosni Mubarak. A polícia usou gás lacrimogêneo e canhões de água e cassetetes para dispersar os manifestantes, que gritavam "fora Mubarak". Dois manifestantes morreram na cidade portuária de Suez e um policial foi morto após sofrer ferimentos no Cairo.

AE, Agência Estado

25 de janeiro de 2011 | 19h55

Cerca de 20 mil a 30 mil policiais foram enviados para impedir o ato. Apesar disso, manifestantes se reuniram na Praça Tahrir, no centro da capital, em um protesto inspirado pelo levante na Tunísia que provocou a queda do regime de Zine El Abidine Ben Ali. Mubarak está no poder desde 1981.

As manifestações de hoje, as maiores em anos no Egito, começaram pacificamente. A polícia mostrou moderação, o que pareceu ser uma estratégia calculada do governo para evitar imagens violentas das forças de segurança, vistas como pouco mais do que corruptos de uniforme. As informações são da Dow Jones e da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
EgitoMubarakprotesto

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.