Polícia reprime protesto no Chade pelo caso Arca de Zoé

Seis responsáveis por ONG que tentou levar crianças ilegalmente para a França permanecem presos no país

Efe,

14 de novembro de 2007 | 16h14

Centenas de pessoas saíram nesta quarta-feira, 14, às ruas de Ndjamena em protesto contra a França por conta do caso da ONG francesa Arca de Zoé, acusada de tentar tirar 103 crianças do Chade de maneira irregular. Seis responsáveis da ONG estão presos no Chade desde o dia 25 de outubro sob a acusação de tentar transportar ilegalmente as crianças, supostamente órfãs, que seriam adotadas por famílias francesas. "Não à recolonização do Chade", dizia um dos cartazes da manifestação, que percorreu as principais avenidas da capital chadiana e passou em frente à sede da embaixada francesa. O protesto foi reprimido pela polícia após quatro horas de passeata com o uso de gás lacrimogêneo. Durante a manifestação, foram gritadas palavras de ordem contra a antiga metrópole e contra o presidente francês, Nicolas Sarkozy, que fez uma visita-relâmpago à capital no último dia 4 e levou de volta à Europa três jornalistas franceses e quatro aeromoças espanholas que estavam presos pelo caso. A manifestação foi convocada por organizações sociais e ocorreu entre 8 horas locais até depois do meio-dia. Pedras foram atiradas contra edifícios e veículos que levavam pessoas com aparência estrangeira. A embaixada francesa no Chade recomendou a seus cidadãos que ficassem em casa nesta quarta-feira para evitar problemas.

Tudo o que sabemos sobre:
ChadeFrança

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.