Polícia rompe bloqueio de uma das maiores refinarias da França

Senado deve votar nesta sexta reforma da previdência, motivo dos protestos e greves no país

Efe

22 de outubro de 2010 | 07h58

Polícia local rompe o bloqueio na refinaria de Grandpuits, a sudeste de Paris.

 

PARIS - A polícia desbloqueou nesta sexta-feira, 22, à força a refinaria de Grandpuits, nos arredores de Paris, uma das maiores da França. As atividades do complexo haviam sido paralisadas há dez dias pelos grevistas que protestam contra a reforma da previdência proposta pelo governo do presidente Nicolas Sarkozy.

 

Veja também:

mais imagens Galeria de fotos: Protestos na França

lista Entenda: Reforma na previdência motiva greve

documento Gilles Lapouge: A revolta dos jovens

especialEspecial: Veja o histórico de manifestações na França

 

A ação deixou três feridos, declarou o coordenador da união sindical CGT Total, Charles Foulard. Para ele, a ação policial significa "a supressão do direito à greve" por parte do presidente Sarkozy.

 

Agentes das Companhias Republicanas de Segurança (CRS) da polícia nacional chegaram de madrugada à refinaria para desbloqueá-la. Cerca de 50 pessoas formaram um cordão humano ao redor da refinaria para tentar impedir a ação da Polícia no local. No início da manhã, essa barreira de manifestantes foi vencida à força pelos agentes da polícia.

 

As outras 11 refinarias da França estão há mais de uma semana bloqueadas pelos grevistas, que protestam contra o projeto de reforma da previdência, que tramita no Senado.

 

Após a operação, o Ministério do Interior explicou que a intervenção policial, "estritamente necessária", ocorreu "com tranquilidade" e sem que houvesse "nenhum incidente a lamentar". "O único objetivo desta operação é voltar a dispor dos estoques de combustível", para "permitir aos serviços públicos e, sobretudo, aos serviços de socorro cumprir suas missões" e para "assegurar o direito de cada um à livre circulação", ressaltou o Ministério em comunicado.

 

O governo, que prometeu não deixar o país sem abastecimento de combustíveis, já desbloqueou vários depósitos de gasolina paralisados pelos sindicatos de caminhoneiros e aplicou medidas para restabelecer o abastecimento. O ministro dos Transportes, Jean-Louis Borloo, afirmou nesta sexta que, no momento, entre "20% e 21%" dos postos de gasolina continuam vazios, o que representa uma "lenta melhora" em relação aos últimos dias.

 

Protestos

 

Manifestantes em toda a França protestam contra a reforma da previdência proposta pelo governo de Sarkozy, que, entre outras medidas, pretende ampliar a idade mínima de aposentadoria de 60 para 62 anos e a idade para aposentadoria integral de 65 para 67 anos.

 

Segundo uma pesquisa do instituto BVA divulgada pelo "Canal Plus", 69% dos cidadãos aprovam "as greves e as manifestações" contra o projeto de lei, enquanto 29% se dizem contra. No entanto, a mesma pesquisa indica que a maioria dos franceses (52%) desaprova o bloqueio das refinarias, que ameaçam paralisar o tráfego viário no país.

 

Leia mais:

linkReforma será votada nas próximas horas, diz ministro

 

Esses últimos dados de apoio às mobilizações para proteger o atual sistema de previdência foram divulgados justo no dia em que o Senado deve aprovar o texto da reforma. A votação foi prorrogada nos últimos dias mais do que o governo queria porque a oposição prolongou o debate parlamentar para favorecer que a pressão das ruas influenciasse o Executivo.

 

Estima-se que os protestos voltem a um alto nível de mobilização no próximo dia 28, para quando os sindicatos convocaram uma nova greve geral. Além disso, as uniões sindicais convocaram os franceses para uma nova jornada de manifestações no dia 6 de novembro, para quando está previsto que o presidente Sarkozy assine o plano de reforma, o que marcará a entrada definitiva em vigor.

 

A nova convocação para greve conta com o respaldo de seis dos oito grandes sindicatos franceses. Dois deles pedem antes, em troca, um maior fortalecimento do movimento, mas também irão protestar junto às outras centrais sindicais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.