Polícia russa apreende 100 mil livros críticos a Putin

A polícia russa apreendeu hoje 100 mil cópias de um livro crítico ao primeiro-ministro, Vladimir Putin. Ativistas pretendiam entregar cópias da obra durante o Fórum Econômico Internacional em São Petersburgo. "A polícia da cidade apreendeu uma van viajando de Moscou carregada com 100 mil cópias do livro ''Putin. Os resultados. Dez anos depois''", disse Olga Kurnosova, chefe da filial na cidade da Frente Cívica Unida, de oposição.

AE-AP, Agência Estado

16 de junho de 2010 | 15h19

O livro foi escrito pelos políticos da oposição Boris Nemtsov e Vladimir Milov. A intenção era distribuí-los também para os participantes do fórum, segundo Kurnosova. O motivo da apreensão "não está claro", segundo ela. A obra, que teve tiragem de 1 milhão de cópias, tem como objetivo "dizer a verdade sobre os resultados reais da liderança de Putin", escreveu Nemtsov, um ex-vice-primeiro-ministro, em seu blog na segunda-feira.

Putin ficou dois mandatos como presidente da Rússia, antes de se tornar primeiro-ministro, em 2008. Ele ainda é visto como a figura mais forte na política russa. O indicado dele nas eleições, Dmitry Medvedev, é o atual presidente do país. Mais cedo neste mês, Putin disse que apoiava os protestos da oposição, contanto que estivessem de acordo com a lei. "Sem um desenvolvimento democrático normal, este país não terá futuro", afirmou o premiê, durante encontro televisionado com importante figuras da arte.

Nemtsov apresentou o livro sobre Putin em Moscou, na segunda-feira. No ano passado, ele publicou um livro similar sobre o prefeito de Moscou, Yury Luzhkov, que venceu um processo na justiça e o forçou a se retratar em comunicado sobre acusações de corrupção na capital do país. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
RússiacensuralivrosVladimir Putin

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.