James Hill/The New York Times
James Hill/The New York Times

Polícia russa quer interrogar Alexander Navalni na Alemanha

Rússia já solicitou a Alemanha que apresente todo o prontuário de Navalni, incluindo as análises de uma laboratório militar germânico que identificou no corpo do opositor russo uma substância do tipo Novichok

Redação, O Estado de S.Paulo

11 de setembro de 2020 | 11h09

MOSCOU - A polícia russa anunciou nesta sexta-feira, 11, que deseja interrogar líder da oposição, Alexei Navalni, na Alemanha. Principal voz crítica a Vladimir Putin, Navalni está hospitalizado em Berlim depois de ter sido envenenado por um agente nervoso soviético, de acordo com os médicos de Berlim. O Kremlin nega qualquer envolvimento no caso.

Apesar das ameaças de sanções, até o momento a Rússia ignorou os pedidos dos países ocidentais de investigação do caso.

O departamento de transportes do Ministério do Interior, responsável pela investigação "preliminar" do caso, enviará uma solicitação aos órgãos competentes em Berlim para que os investigadores russos possam acompanhar os alemães "quando escutarem as explicações de Navalni e também para que possam fazer perguntas e pedir detalhes". Moscou insiste que não há indícios que apontem um crime. 

Em 20 de agosto, Navalni, 44 anos, passou mal a bordo de um avião e foi internado em um hospital da Sibéria, onde investigava a corrupção do governo, segundo seus partidários, antes de ser transferido para a Alemanha, onde os médicos afirmam que detectaram rastros de envenenamento. O líder opositor saiu do coma induzido nesta semana e seu estado de saúde registra avanços.

A Rússia já solicitou a Alemanha que apresente todo o prontuário de Navalni, incluindo as análises de uma laboratório militar germânico que identificou no corpo do opositor russo uma substância do tipo Novichok, um agente neurotóxico desenvolvido entre as décadas de 1970 e 1980 na União Soviética para fins militares. 

As autoridades russas afirmam que suas análises, feitas durante a hospitalização do opositor em Omsk cidade da Sibéria, antes da  transferência para a Alemanha, não revelaram nenhuma substância tóxica.

A Rússia questionou repetidamente a veracidade da informação alemã. "Não pode existir um processo penal (na Rússia) com base nas análises feitas do lado alemão, e menos ainda se aconteceram em um laboratório do exército alemão", afirmou nesta sexta-feira o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov.

Para o chefe da diplomacia russa, Serguei Lavrov, a Alemanha está "escondendo cuidadosamente" os dados que afirma ter.

Berlim afirmou nesta sexta-feira que recebeu instruções para responder ao "pedido de ajuda legal" de Moscou, incluindo informações sobre a saúde do opositor, caso este concorde. Ao mesmo tempo, a União Europeia (UE) ameaça impor sanções e a Alemanha não descarta que o caso afete o projeto de gasoduto russo-germânico Nord Stream 2, caso Moscou não inicie uma investigação confiável.

O secretário de Estado americano, Mike Pompeo, afirmou que a tentativa de assassinato foi provavelmente orquestrado por "altos funcionários russos", acusações consideradas "absurdas" por Moscou.

O ministério russo das Relações Exteriores afirmou esta semana que o governo alemão usa o caso Navalni para "desacreditar a Rússia no cenário internacional". Também destacou que a recusa de Berlim a atender os pedidos russos de acesso à investigação seria considerada uma "provocação grosseira e hostil". 

Vários oponentes ou opositores do Kremlin foram envenenados nos últimos anos. Em cada ocasião, a Rússia rejeitou as acusações contra o governo, enquanto as potências ocidentais afirmam que têm provas irrefutáveis.

O agente neurotóxico Novichok já foi utilizado contra o ex-agente duplo russo Serguei Skripal e sua filha Yulia em 2018 na Inglaterra. De acordo com as autoridades britânicas, o GRU, serviço de inteligência militar russo, é o principal suspeito. O caso provocou sanções contra a Rússia. 

Alexei Navalni se transformou nos últimos anos no principal opositor do Kremlin por publicar investigações sobre a corrupção das elites russas e do entorno do presidente Vladimir Putin. A organização de Navalni, o Fundo Anticorrupção, se concentra nas eleições locais e regionais para apresentar ou apoiar candidatos com possibilidades de vender os aspirantes do partido governante, Rússia Unida.

A estratégia teve um sucesso relativo em setembro de 2019, na eleição para o Parlamento de Moscou, e os partidários de Navalni esperam repetir o bom desempenho nas eleições de domingo em quase 40 regiões./AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.