Polícia saudita mata suposto assassino de turistas franceses

Um dos supostos assassinos de quatro turistas franceses na Arábia Saudita morreu nesta sexta-feira, 6, em um confronto com as forças de segurança no leste do reino wahhabista, informou o Ministério do Interior em comunicado.A nota explica que no tiroteio, registrado pela manhã na cidade de Medina, um policial saudita também morreu.O suposto terrorista morto hoje foi identificado como Waleed Alraddadi, nome que figura na lista dos 36 supostos membros da Al-Qaeda mais procurados na Arábia Saudita, publicada em meados de 2005 pelo Ministério do Interior.Os turistas foram mortos em um atentado ocorrido em fevereiro em uma estrada desértica que une as cidades de Medina e Tabuk, quando homens armados dispararam contra um grupo de franceses, matando dois homens instantaneamente. Outros dois ficaram gravemente feridos e morreram no hospital. As vítimas viajavam com três mulheres e duas crianças.O rei da Arábia Saudita, Abdullah bin Abdul Aziz, qualificou o ataque de "ato criminoso" e afirmou que os autores seriam "perseguidos e castigados".Os organismos de segurança tinham afirmado que 15 dos 36 supostosmembros da Al-Qaeda mais procurados se encontravam no território saudita, enquanto o restante estava fora do país.Desses 36 mais procurados - vários deles já morreram em choques com a polícia - há um marroquino, três chadianos, um iemenita, um mauritano e um kuwaitiano. Os outros 29 eram sauditas.A Arábia Saudita, berço do Islã e terra natal do líder da Al-Qaeda, Osama bin Laden, foi palco de numerosos atentados terroristas nos últimos quatro anos, todos atribuídos a células ativas da rede terrorista internacional no reino wahhabista.Dezenas de supostos terroristas morreram e centenas de suspeitos foram detidos desde que começou um campanha policial contra membros de grupos extremistas, em 2003, que as autoridades do rico reino petrolífero qualificam de "dissidentes" sauditas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.