Polícia seguiu pistas erradas após primeiro ataque, diz NYT

De acordo com uma reportagem publicada nesta quarta-feira, 18, no The New York Times, o motivo de terem ocorrido dois tiroteios com um intervalo de mais de duas horas entre eles na universidade Virginia Tech na última segunda-feira,16, está relacionado com o fato de que os policiais seguiram pistas erradas após o primeiro ataque.O primeiro, no qual duas pessoas foram mortas, aconteceu às 7h15 do horário local. O segundo, no qual pelo menos 30 foram assassinadas, duas horas mais tarde, em uma sala de aula, do outro lado do campus universitário.O Departamento de Polícia da universidade Virginia Tech confirmou nesta terça-feira, 17, a identidade do responsável pelo tiroteio que deixou 32 mortos na manhã da segunda-feira, no mais violento ataque a uma instituição de ensino na história dos EUA. O jovem, que se suicidou após o massacre, é o sul-coreano Cho Seung-Hui, de 23 anos.No entanto, logo depois do assassinato da caloura Emily Jane Hilscher e do estudante Ryan Clark a polícia do campus começou a investigar o quarto de Karl D. Thornhill, que era namorado da primeira vítimaSegundo informações divulgadas em comunicado pela polícia, a companheira de quarto de Hilscher havia dito que Thornhill possuía armas em sua casa. Ele se tornou então o principal suspeito.No entanto, enquanto Thornhill estava sendo interrogado, chegou a notícia de um tiroteio no Norris Hall, dentro da universidade. O suspeito não foi preso, embora a polícia ainda o considere importante para o caso.Mesmo após o erro, funcionários do governo continuaram a defender a decisão da polícia, dizendo que eles tomaram a decisão certa com as informações que possuíam.O autorVivendo nos Estados Unidos desde criança, Cho foi descrito por colegas e funcionários da universidade como um rapaz "muito solitário". Ele estava no quarto ano de graduação do curso de inglês da universidade, e morava no campus. Segundo informações da polícia, duas pistolas - uma 9mm e outra .22 - foram encontradas no edifício Norris Hall da Faculdade de Engenharia, onde estavam a grande maioria das vítimas (30 pessoas). O corpo de Cho jazia entre os cadáveres em uma sala de aula no local, e impressões digitais suas foram encontradas em pelo menos uma das armas.Uma das pistolas também foi usada no assassinato de duas pessoas em um dos dormitórios da universidade, de acordo com testes balísticos. As apurações iniciais indicam que Cho teria iniciado a matança por volta das 7h15 (horário local) de segunda-feira, no dormitório, dirigindo-se cerca de duas horas depois para a Faculdade de Engenharia. Segundo a polícia da Virgínia, entretanto, ainda não foi possível comprovar se as mortes do dormitório tiveram a autoria do sul-coreano - embora a hipótese seja a mais provável. "Neste momento, as evidências não são conclusivas para identificar Cho Seung-Hui como o atirador dos dois edifícios", disse superintendente da polícia estadual, coronel W. Steven Flaherty. "Com esta nova descoberta balística, seremos capazes agora de dar prosseguimento a esta complexa investigação."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.