GLACIER 3000/Keystone via AP
GLACIER 3000/Keystone via AP

Polícia suíça identifica casal morto em geleira há 75 anos

Marcelin Dumoulin e sua mulher, Francine, tinham ido ordenhar e alimentar o gado quando desapareceram

O Estado de S.Paulo

19 Julho 2017 | 16h03

GENEBRA - A polícia suíça confirmou nesta quarta-feira (19) a identidade do casal encontrado mumificado no maciço de Les Diablerets, no sul da Suíça, dizendo se tratar de Marcelin Dumoulin e sua mulher, desaparecidos há 75 anos.

"Com base na comparação de DNA realizada pelo legista em colaboração com a polícia do cantão de Valais e o Ministério Público, os corpos encontrados na geleira foram identificados", informa um comunicado.

"Trata-se de Marcelin Dumoulin, de 40 anos, e sua mulher,  Francine, de 37 anos, desaparecidos tragicamente em 15 de agosto de 1942", segundo a nota.

Os corpos, perfeitamente preservados, jaziam um ao lado do outro, com mochilas, uma garrafa, um livro e um relógio. Eles usavam roupas da época da 2.ª Guerra. 

Eles foram descobertos por um funcionário da estação de esqui Glacier 3000 na quinta-feira passada durante uma visita de rotina à geleira de Diablerets, 2.615 metros de altitude.

"A polícia me ligou esta manhã, às 7 horas, para me dar a notícia", disse à AFP Monique Gautschy, de 86 anos, uma das duas filhas ainda viva do casal, que teve sete filhos.

"O funeral será no sábado, mas primeiro quero dar-lhes um beijo", acrescentou Gautschy, que na época do desaparecimento de seus pais tinha 11 anos.

Marcelin, sapateiro, e Francine, uma professora, haviam saído em 15 de agosto de 1942 da aldeia de Chandolin para alimentar e ordennhar seu gado nas montanhas.

"Eu os vi sair naquela manhã de sábado. Era um dia radiante. Eles deveriam pasar a noite no prado alpino de Grilden e voltar no domingo", recorda.

"De repente, uma grande nuvem negra cobriu a geleira no período da tarde. Meu tio conseguiu ver os meus pais uma última vez com binóculos", acrescentou.

"Nós passamos nossas vidas à procura deles. Já não acreditávamos que poderíamos oferecer um dia o funeral que mereciam", confidenciou Marceline, que tinha 4 anos quando seus pais desapareceram.

Após dois meses e meio de buscas infrutíferas, os sete filhos, cinco meninos e duas meninas, foram colocados em famílias de acolhimento, exceto a menor, Marceline, que foi adotada por uma tia. / AFP

Mais conteúdo sobre:
Ministério Público Suíça

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.