Siphiwe Sibeko/Reuters
Siphiwe Sibeko/Reuters

Polícia sul-africana mata 30 mineiros grevistas

Repressão a manifestantes em Pretória é um dos piores episódios de violência desde o fim apartheid, em 1994

estadão.com.br,

16 de agosto de 2012 | 21h17

Atualizado às 4h30

 

PRETÓRIA - A polícia da África do Sul matou nesta quinta-feira, 16, ao menos 30 mineiros em greve em uma mina de platina em Marikana, nos arredores de Pretória. Os agentes argumentam que dispararam quando os grevistas os ameaçaram com facões, diante da tentativa policial de dispersar 3 mil trabalhadores. Foi um dos piores episódios de violência policial no país desde o fim do apartheid, em 1994.

Veja também:

link Polícia atira contra mineiros em greve na África do Sul

link Milhares de mineiros protestam na África do Sul

Em comunicado, o presidente Jacob Zuma se disse chocado. "Instruí as forças da ordem a fazer tudo para manter a situação sob controle", afirmou.

Confrontos entre sindicalistas iniciados há uma semana haviam deixado dez mortos antes da ação policial. A Associação de Mineiros e Operários da Construção Civil (AMCU), que representa os grevistas, acusou a polícia de execução. "Não havia nenhuma necessidade de matar as pessoas daquele jeito", disse o secretário-geral da entidade, Jeffrey Mphahlele. Antes do confronto, os mineiros se diziam dispostos a morrer pela greve. A oposição a Zuma estima que o total de vítimas pode chegar a 38.

Com Reuters e Efe 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.