Polícia tailandesa desperdiçou doações após tsunami

A Polícia da Tailândia desperdiçou mais da metade do dinheiro doado pela comunidade internacional para custear os trabalhos de identificação das milhares de vítimas mortais do tsunami que arrasou parte do sudeste asiático há dois anos, informou nesta segunda-feira a imprensa local.A denúncia foi feita por Alemanha, Estados Unidos, França, Finlândia, Holanda, Reino Unido e Suécia em carta dirigida ao diretor-geral da Polícia tailandesa, general Kowit Wattana, pelas embaixadas destes países.De acordo com o jornal local "The Nation", a Polícia tailandesa esbanjou e camuflou como despesas de viagem cerca de 60% dos US$ 1,7 milhão para ajudar a financiar o funcionamento do Centro de Identificação de Vítimas do Tsumami, criado após a catástrofe com a cooperação de Interpol.Durante os meses posteriores ao incidente, equipes de forenses e especialistas de Polícia de cerca de 30 países, assim como 600 membros da Polícia tailandesa, trabalharam no centro de identificação montado na cidade de Phuket.Na carta, datada de 22 de novembro, as embaixadas pediram a realização de uma auditoria interna por parte de uma empresa privada para esclarecer o destino dado a esta quantia, proveniente de doações feitas por cidadãos destas sete nações.Em 26 de dezembro de 2004, 5.391 pessoas, quase a metade delas turistas, morreram ao serem arrastadas pela onda gigante que passou por complexos hoteleiros de praias e cidades de pescadores de sete províncias do sudeste da Tailândia. O fenômeno também arrasou outras nações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.