Polícia turca descobre falso complô contra Obama

A polícia turca deteve um homem depois de receber uma pista fraudulenta com relação a um complô para matar o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, mas o suspeito foi rapidamente liberado sem acusações pendentes, revelou hoje uma fonte no governo turco. A fonte policial contou que o suspeito, um cidadão turco, foi detido na última sexta-feira depois de as forças de segurança terem recebido uma mensagem de correio eletrônico que continha o endereço dele em Istambul. "Não era uma coisa séria. A polícia liberou o homem e concluiu que ele é mentalmente perturbado", prosseguiu a fonte.

AE-AP, Agencia Estado

07 de abril de 2009 | 10h31

"A pista era uma fraude. O endereço IP do qual o e-mail foi enviado foi rastreado até os Estados Unidos", prosseguiu a fonte, referindo-se ao protocolo de internet, número que identifica uma máquina na rede mundial de computadores. Ed Donovan, porta-voz do Serviço Secreto dos Estados Unidos, afirmou hoje que em nenhum momento Obama esteve em perigo na Turquia. Robert Gibbs, porta-voz de Obama, recusou-se a comentar o incidente. O presidente americano desembarcou na Turquia no domingo, dois dias depois da detenção. Ele esteve hoje em Istambul.

Tudo o que sabemos sobre:
TurquiacomplôObama

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.