Polícia turca detém 18 por acidente em mina

Representantes do governo e da mineradora têm insistido que a mina foi inspecionada regularmente

Agência Estado

18 Maio 2014 | 11h09

Dezoito pessoas, incluindo executivos, foram detidas por autoridades turcas, na investigação do desastre em uma mina que matou 301 pessoas, informou uma agência de notícias local neste domingo, 18.

Representantes do governo e da empresa mineradora têm insistido que a mina foi inspecionada regularmente e que a negligência não foi um fator causador do acidente. Contudo, com o crescimento do apelo popular, oficiais do governo prometeram investigar e punir qualquer pessoa que possa ter sido responsável.

Representantes da empresa descreveram padrões de segurança elevados, observando que a mina continha 50 sensores de gás e que funcionários usavam máscaras para trabalhar.

Em coletiva de imprensa realizada na última sexta-feira, 16, o gerente de operações da mina, Akin Celik, disse que a fumaça espessa vinda de um fogo subterrâneo matou muitos mineiros que não usavam máscaras de gás. As equipes de resgate que entraram na mina reclamaram dos elevados níveis de dióxido de carbono e de monóxido de carbono.

"Não há nenhuma negligência", disse Celik na sexta-feira. "Eu faço este trabalho há 20 anos, mas nunca vi nada parecido com isso. Nós não iríamos querer machucar sequer uma única unha de nossos trabalhadores."

Neste sábado, 17, o ministro da Energia, Taner Yildiz, disse que os times de resgate recuperaram os corpos dos dois últimos mineiros desaparecidos no desastre, elevando para 301 o número de mortos. A entrada da mina foi, então, selada com tijolos. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
Turquia acidente mina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.