Polícia turca detém homem que carregava bomba falsa

A polícia turca deteve, nesta quinta-feira, um homem que chegou perto do gabinete do primeiro-ministro Recep Tayyip Erdogan com uma bomba falsa, informou o ministro do Interior Muammer Guler. Segundo ele, o incidente não tem ligação com terrorismo e, aparentemente, o homem sofre com problemas psicológicos.

Agência Estado

21 de novembro de 2013 | 12h09

Foram disparados dois tiros de advertência antes da prisão do suspeito numa rua que leva ao escritório de Erdogan, disse um auxiliar do primeiro-ministro, que falou em condição de anonimato. Erdogan não estava no gabinete no momento da ação e ninguém ficou ferido pelos disparos, disse ele.

O homem de 53 anos, identificado como Tugrul B., era interrogado, mas a razão que o levou a agir ainda era desconhecida.

Segundo Guler, o homem fez uma ligação anônima para a polícia, falando a respeito de um suicida que pretendia realizar um ataque, cinco minutos antes de chegar ao local.

"Ele tinha cabos ao redor da cintura que pareciam um artefato explosivo", afirmou Guler aos jornalistas. "Acreditamos que ele tinha problemas psicológicos."

Uma emissora privada de televisão citou fontes dizendo que o homem tem dívidas no cartão de crédito e queria atrair atenção para seus problemas. Relatos iniciais diziam que a polícia havia disparado e ferido um suposto suicida. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
TurquiaataqueErdogan

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.