Polícia turca lança bombas de gás contra manifestantes

A polícia da Turquia atirou bombas de gás lacrimogêneo e lançou jatos de água para dispersar centenas de manifestantes na Praça Taskim, em Istambul, logo após o primeiro-ministro do país, Recep Tayyip Erdogan, avisar que os policiais iriam intervir para encerrar a ocupação dos ativistas em um parque que margeia a praça. A multidão, que dizia "todo lugar é Taksim, todo lugar é resistência", enfrentou a polícia, na mais recente escalada das tensões em mais de duas semanas de demonstrações contra o governo.

RENAN CARREIRA, Agência Estado

15 Junho 2013 | 15h36

Erdogan havia ameaçado mais cedo, neste sábado, 15, recorrer à intervenção policial contra os manifestantes. "Vou deixar claro: saiam de Taksim. Se isso não acontecer, as forças de segurança deste país sabem como livrar o local", afirmou Erdogan, referindo-se à área onde os manifestantes estão acampados no Parque Taksim Gezi, um parque urbano situado na Praça Taksim.

Um protesto pacífico de ambientalistas se transformou numa manifestação nacional depois de a polícia ter usado gás lacrimogêneo e canhões de água para dispersar um pequeno grupo de ativistas. Os manifestantes realizaram o protesto na tentativa de salvar um dos últimos espaços verdes da cidade. As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
TurquiaprotestosErdoganpraça

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.