Polícia usa gás lacrimogêneo contra manifestantes na Grécia

Dezenas de milhares de pessoas paralisaram serviços em oposição a medidas de austeridade.

BBC Brasil, BBC

11 de maio de 2011 | 19h45

Episódios de violência eclodiram nas proximidades do Parlamento grego nesta quarta-feira, enquanto milhares de manifestantes protestavam contra as medidas de austeridade impostas pelo governo.

Testemunhas dizem que ativistas arremessaram pedras contra a polícia, que usou gás lacrimogêneo para dispersar os manifestantes.

Várias pessoas foram presas e dois policiais ficaram feridos.

Os organizadores dizem que 30 mil pessoas participaram dos protestos. A polícia disse que o número de presentes foi de 20 mil.

Greve

Os protestos ocorreram junto com uma grande greve geral de 24 horas convocada por sindicatos.

A paralisação foi convocada após o governo propor outro pacote de austeridade para tentar reduzir o deficit público e tirar o país da crise econômica.

Mas os sindicatos dizem que as políticas de austeridade apenas afundam ainda mais o país na recessão.

"Eles querem acabar com as conquistas sociais das últimas décadas e nos levar de volta à Idade Média. Na minha companhia cem pessoas foram demitidas em janeiro, os salários reduzidos em 15% e (mais medidas) ainda vêm", disse o manifestante Vangelis Papadoyiannis, segundo a agência de notícias AFP.

Apesar das duras medidas adotadas, o deficit não está diminuindo tão rapidamente quanto o governo esperava, em parte por causa da recessão e do desemprego de cerca de 15%.

O mercado internacional ainda teme que a Grécia não cumpra seus compromissos e deixe de pagar parcelas de sua dívida.

Há ainda o temor de que o governo precise de mais empréstimos da União Europeia, mas o porta-voz da entidade, Olli Rehn, disse que conversas neste sentido seriam "prematuras".

Uma comissão da União Europeia está em visita Atenas nesta semana para monitorar os avanços obtidos com o pacote de resgate financeiro de 110 bilhões de euros, concedido conjuntamente pelo FMI e o bloco.

O empréstimo é válido por dois anos e a avaliação da missão será crucial para o governo grego conseguir futuras quantias a juros mais baixos.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
união europeiagréciaatenasfmipacote

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.