Mohamed Abd El Ghany/Reuters
Mohamed Abd El Ghany/Reuters

Polícia usa gás lacrimogêneo contra manifestantes no Cairo

Pessoas tentavam derrubar muro de cimento construído para evitar que protestos cheguem ao Parlamento

estadão.com.br,

24 de janeiro de 2013 | 16h17

CAIRO - A polícia do Egito atirou gás lacrimogêneo nesta quinta-feira, 24, em dezenas de manifestantes que tentavam derrubar um muro de cimento construído para evitar que os protestos cheguem ao Parlamento do país no centro do Cairo.

A violência ocorreu na véspera do aniversário de dois anos da revolta que derrubou o ex-presidente Hosni Mubarak. Três semanas de protestos massivos que eclodiram em 25 de janeiro de 2011 forçaram Mubarak a deixar o cargo.

Os conflitos desta quinta podem continuar na sexta, data em que ativistas e oposicionistas farão grandes manifestações. A oposição exige que mudanças radicais sejam feitas na constituição do Egito.

Os adversários do presidente Mohamed Morsi planejam fazer uma passeata até a praça Tahrir para expressar sua irritação com o novo líder islâmico e seus apoiadores da Irmandade Muçulmana, a quem acusam de trair os objetivos da chamada Revolução de 25 de Janeiro, que galvanizou os egípcios em uma demonstração de unidade nacional que não se repetiu desde então.

A Irmandade disse que não irá enviar seus seguidores à praça Tahrir na sexta-feira - uma decisão que pelo menos limita o risco de agravamento da tensão social. Mas o grupo islâmico, de olho nas próximas eleições parlamentares, está marcando o aniversário com uma campanha assistencial.

Com informações da Associated Press e da Reuters

Tudo o que sabemos sobre:
primavera árabeEgitoMohamed Morsi

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.