Policiais entram em confronto com budistas em Mianmar

A polícia disparou tiros de advertência para parar uma multidão budista que danificou uma mesquita e tentou atear fogo a várias lojas muçulmanas na segunda maior cidade de Mianmar, relataram autoridades.

AE, Agência Estado

02 Julho 2014 | 13h04

Pelo menos quatro pessoas ficaram feridas ontem à noite em Mandalay, principalmente por conta de pedras que foram lançadas pela multidão ou balas de borracha que foram disparadas pela polícia, disse Khin Maung Oo, secretário da Juventude Muçulmana em Mianmar.

A violência em Mandalay, que fica na região central de Mianmar, ocorreu depois de rumores de que o proprietário de uma casa de chá muçulmano havia estuprado uma mulher budista, disse Khin. A polícia não confirmou os fatos imediatamente, mas disse que eles foram avisados de que a casa de chá poderia ser atacada e informou ao proprietário que ele deveria fechar mais cedo.

Khin afirmou que os budistas atiraram pedras contra uma mesquita, causando pequenos danos às suas portas exteriores e frontais, e alguns quebraram vitrines de lojas e as saquearam.

Autoridades enviaram centenas de policiais às ruas após uma multidão de mais de 300 budistas marcharem até a casa de chá, cantando o hino nacional, de acordo com Khin e outras testemunhas. A polícia disparou balas de borracha para tentar dispersar a multidão. A perseguição posterior durou horas.

Mianmar é um país predominantemente budista, que tem enfrentado violência sectária desde 2012, que deixou ao menos 280 pessoas mortas e outras 140 mil desalojadas, a maioria deles muçulmanos atacados por extremistas budistas. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Mianmar violência budistas muçulmanos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.