Policiais resgatam animais de prédios interditados em NY

O pequeno Peter, um coelho de estimação de uma escola nas proximidades do World Trade Center, foi um dos animais esquecidos pelos seus donos durante a correria para evacuar os prédios da região na manhã do atentado.Como ele, cerca de 150 bichinhos - entre cães, gatos, peixes de aquário, passarinhos, hamsters, iguanas e até ratos de estimação - foram encontrados desde sexta-feira em apartamentos onde o acesso para moradores continua proibido.O trabalho de resgate é feito por 13 policiais de uma força-tarefa da Sociedade Americana para a Prevenção da Crueldade contra Animais (ASPCA) e do Departamento de Parques da Cidade de Nova York.Os animais se esconderamDe acordo com a porta-voz da ASPCA, Deborah Sindell, muitos animais foram encontrados escondidos embaixo de camas e dentro de armários. "Tivemos que procurar com atenção porque os animais estavam assustados", afirmou.Quando as áreas residenciais começaram a ser liberadas para moradores buscarem roupas e documentos, a prioridade de entrada era dada a donos de animais. "Estamos fazendo de tudo para evitar que animais morram de fome", disse Mathew Sperling, um escritor que mora perto do WTC e que trabalhou como voluntário na divulgação da campanha da ASPCA.Com a ajuda de outros voluntários, Mathew percorreu as ruas da cidade colando cartazes que pediam para vizinhos verificarem se há animais abandonados em seus edifícios e notificarem as autoridades.Abrigos e hospitaisDepois de socorridos, os animais resgatados eram levados para abrigos e hospitais e, na maioria dos casos, reunidos com seus donos. No centro de tratamento montado a poucas quadras dos escombros, aproximadamente 50 veterinários - alguns de outros Estados como Massachusetts - apareceram para trabalhar. Até hoje mais de 100 animais com problemas respiratórios, queimaduras e desidratação haviam sido tratados. Psicólogos também se ofereceram como voluntários para conversar com donos de animais de estimação que estavam tensos pela demora em reencontrar seus animais.Duas lojas de produtos especializados para cachorros doaram comida e ofeceram banhos para os cães farejadores que têm sido usados pelas equipes de resgate para procurar vestígios de sobreviventes sob os escombros. Os cães treinados chegaram a trabalhar por períodos de até 12 horas por dia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.