STR/AFP
STR/AFP

Policiais retiram mais de 400 corpos de casas e ruas na Bolívia

Segundo o departamento epidemiológico nacional, o coronavírus está em 'uma escalada muito rápida' nas regiões de La Paz e Cochabamba, ambas no oeste do país

Redação, O Estado de S.Paulo

22 de julho de 2020 | 19h40

COCHABAMBA, BOLÍVIA - A polícia boliviana retirou nos últimos cinco dias mais de 400 cadáveres de ruas e casas, 85% deles de pessoas com o novo coronavírus, reportou na terça-feira, 21, a força policial contra o crime (FELCC). 

Entre os dias 15 e 20 deste mês, "a FELCC de Cochabamba reporta um total de 191 casos de levantamento" de cadáveres, enquanto La Paz "reporta 141 casos", disse o diretor nacional da FELCC, coronel Iván Rojas, a jornalistas. 

Além disso, Santa Cruz, que concentra metade dos quase 61.000 infectados na Bolívia, reportou 68 resgates de cadáveres em cinco dias, acrescentou. Em Potosí foram 11 e em Chuquisaca, 9. 

Oitenta e cinco por cento dos cadáveres recuperados são de "casos positivos de covid-19 e casos que apresentam sintomas de covid, o que se vai catalogar como casos suspeitos", acrescentou Rojas. 

Os demais 15% "são casos de morte por outras causas, vale dizer, falecimento por alguma doença ou causa violenta", acrescentou.

Segundo o departamento epidemiológico nacional, o coronavírus está em "uma escalada muito rápida" nas regiões de La Paz e Cochabamba, ambas no oeste da Bolívia. 

O diretor do Instituto de Investigações Forenses, Andrés Flores, informou que entre 1º de abril e 19 de julho a entidade pública "realizou o reconhecimento médico legal extra-hospitalar de 3.016 cadáveres suspeitos e confirmados de ser portadores de covid-19". 

O grosso destes reconhecimentos foi feito em Santa Cruz (1.338) e Cochabamba (1.023). 

Até hoje, a Bolívia, que tem 11 milhões de habitantes, registra mais de 60 mil infectados com covid-19 e supera os 2.200 mortos. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.