AP
AP

Policial branco mata suspeito negro desarmado no Arizona

Caso é similar aos de Michael Brown, no Missouri e Eric Garner, em Nova York, que provocaram protestos contra a polícia nos EUA 

O Estado de S. Paulo

05 de dezembro de 2014 | 08h37


WASHINGTON - Um policial matou um homem negro desarmado com dois tiros na noite de terça-feira, 2, informou hoje a polícia da cidade de Phoenix, no estado do Arizona. O caso é similar aos de Michael Brown, no Missouri e Eric Garner, em Nova York, que provocaram protestos contra a polícia em todos os Estados Unidos nos últimos dias.

Segundo a polícia, Rumain Brisbon era suspeito de traficar drogas. O policial o abordou e pediu que se rendesse. No entanto, o suspeito não obedeceu e correu para um edifício de apartamentos, onde confrontou fisicamente o policial. Segundo o comunicado, o suspeito introduziu as mãos nos bolsos das calças, o que fez com que o agente pensasse que estivesse buscando alguma arma.

O policial - identificado apenas como um homem branco de 30 anos - disparou duas vezes contra o suspeito, que tinha 34 anos e acabou morrendo. Os agentes descobriram depois que Brisbon carregava nos bolsos um frasco de oxicodona, um medicamento anestésico. Já em seu veículo, foi encontrada uma quantia de maconha e uma espingarda semiautomática.

O suspeito tinha uma longa ficha criminal por assalto e roubo, segundo a imprensa local. A advogada de Brisbon, Marci Kratter, explicou à imprensa do Arizona que há testemunhas que contradizem a versão policial.

Esse novo caso acontece em um momento no qual a desconfiança entre a polícia e as minorias nos Estados Unidos atinge o seu ápice, com vários protestos e indignação após as mortes de Michael Brown e Eric Garner.

Tanto o presidente Barack Obama como seu secretário de Justiça, Eric Holder, se pronunciaram publicamente nos últimos dias para deixar claro que o governo está comprometido em melhorar a confiança entre as forças de segurança e as minorias no país. /EFE

Mais conteúdo sobre:
EUAracismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.