Policial diz que ´mulher-animal´ é filha perdida havia 19 anos

Uma mulher que emergiu das selvas de Camboja há uma semana, curavada e grunhinho como uma animal, revelou ainda pouco sobre as últimas duas décadas que supostamente passou no mato. A mulher, apelidade de "mulher-animal" por residente de um distrito remoto, é incapaz de falar palavras inteligíveis e gasta seus dias sentada ou deitada no chão, dormindo ou fitando a vidraça espelhada da casa onde está morando.Um policial local, Sal Lou, 45 anos, diz que a mulher é sua filha desaparecida, Rochom P´ngien, que estava perdida desde 1988 aos oito anos de idade, enquanto cuidava de um rebanho de búfalos. Algumas pessoas da aldeia de Phnom Pehn não lembram da menina desaparecida, que atualmente tem 27 anos.O homem que diz ser o pai da jovem afirma ter reconhecido uma cicatriz de sua filha. As autoridades esperam agora o resultado de exames de DNA para identificar se a jovem é mesmo a filha de Sal Lou.A mulher-animalCapturada depois de roubar comida de aldeões há cerca de uma semana, a jovem foi encontrada pelo seu suposto pai."Quando eu a vi, ela estava nua e andava voltada para frente, como um macaco. Ela era só pele e osso", disse Sal Lou, que diz ser o pai da mulher."Ela estava pegando grãos de arroz do chão para comer. Seus olhos eram vermelhos como olhos de tigre", disse o homem, por telefone, à Associated Press. Sal Lou vive em Oyadao, um distrito da província de Rattanakiri, local em que a mulher foi encontrada no último sábado.Rochom P´ngieng teria desaparecido em uma remota área de floresta próxima ao local, informou o vice-chefe de polícia de Rattanakiri, Chea Bunthoeun, à AP. A província fica a 325 quilômetros de Phnom Penh, capital do país.O chefe de polícia do distrito de Oyadao, Mao San, descreveu a mulher como "meio humana e meio animal".A mulher foi descoberta esse mês depois que um aldeão percebeu que sua comida havia sido roubada em uma área próxima a sua fazenda, explicou Chea Bunthoeun."Ele resolveu procurar pelo local e localizou uma pessoa nua, que parecia um ser da selva, escondida para roubar seu arroz", disse o policial. O aldeão juntou alguns amigos e o grupo conseguiu pegar a mulher no dia 13 de janeiro. Desde que foi encontrada, a mulher tem apresentado dificuldade para se ajustar à vida normal, aparentemente por sua longa estadia na selva. Sal Lou disse que é praticamente impossível se comunicar com ela pois a jovem não fala o idioma local. Quando ela está com fome, explica o suposto pai da jovem, ela esfrega o estômago. "Se não está dormindo, ela simplesmente senta-se e fica olhando para esquerda e para a direita", disse ele.Sal Lou acrescentou que sua família irá monitorar de perto todos os passos da jovem, uma vez que na quinta-feira ela tirou suas roupas e aparentemente tentou voltar para a floresta.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.