Shaban Athuman/The Dallas Morning News via AP
Shaban Athuman/The Dallas Morning News via AP

Policial entra em apartamento errado e mata vizinho nos Estados Unidos

Agente branca foi denunciada por homicídio culposo de jovem negro, mas família alega que ela foi favorecida pela Justiça

O Estado de S.Paulo

10 Setembro 2018 | 21h23

CHICAGO - Uma agente policial branca de Dallas, nos EUA, que matou seu vizinho negro após ter se enganado de apartamento, pensando estar em sua casa, poderá ser acusada de assassinato, anunciou a promotora encarregada do caso nesta segunda-feira, 10.

A oficial Amber Guyger, de 30 anos, foi denunciada até o momento por homicídio culposo, mas a família da vítima declara que ela foi favorecida na Justiça.

Na noite de quinta para sexta-feira, a agente chegou do trabalho e matou Botham Shem Jean, um homem de 26 anos originário da ilha de Santa Lucía, que morava no aparamento debaixo do seu.

Guyger assegura que desceu do elevador no andar errado e entrou por engano na casa do seu vizinho, cuja porta não estava trancada, e, no escuro, acreditou que o jovem era um intruso e atirou nele.

Levado ao hospital logo após a agente ligar para os serviços de emergência, às 22h de quinta-feira (hora local), Jean morreu em decorrência da gravidade dos ferimentos. Havia se formado em uma universidade de Arkansas e era funcionário da empresa PriceWaterhouseCoopers. 

A polícia de Dallas, para a qual Guyger trabalha há quatro anos, encarregou da investigação agentes do Estado, os Texas Rangers, que no domingo prenderam a policial. A Justiça autorizou a sua libertação após o pagamento de uma fiança de US$ 300 mil dólares.

"Não deveria ter deixado a cena do crime sem algemas", declarou o advogado da família do jovem morto, Lee Merritt.

Houve "debates acalorados" no domingo entre os Rangers e a Promotoria sobre as acusações à agente, revelou nesta segunda-feira a promotora do distrito, Faith Johnson. Um grande júri será nomeado para supervisionar a investigação, acrescentou. 

"Esse grande júri terá de analisar todos os aspectos do caso, o que inclui a possibilidade de ser julgada por homicídio, homicídio culposo ou outros crimes", acrescentou. / AFP

 

Mais conteúdo sobre:
Dallas [Estados Unidos]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.