Reprodução/AP
Reprodução/AP

Policial que agrediu adolescente negra no Texas pede demissão

Agressão registrada em vídeo foi publicada na internet; chamado para conter briga, Eric Casebolt jogou jovemao chão e a ameaçou 

Claudia Trevisan, CORRESPONDENTE

09 de junho de 2015 | 19h33

 

O policial do Texas que foi flagrado em uma filmagem agredindo uma adolescente negra pediu demissão do cargo nesta terça-feira, 9. Ele estava há mais de dez anos na polícia de Dallas e estava sob licença não remunerada. 

O incidente ocorreu na sexta-feira durante uma festa de estudantes na piscina do condomínio Craig Ranch North, em um subúrbio de população majoritariamente branca de Dallas.

As imagens do enfrentamento foram compartilhadas por milhões de pessoas e desencadearam o mais recente debate público sobre violência policial e questão racial nos Estados Unidos. O assunto voltou a ganhar destaque em agosto do ano passado, quando um policial branco matou a tiros o jovem negro Michael Brown, na cidade de Ferguson, Missouri, provocando uma onda de protestos e confrontos. 

Nas cenas do episódio do Texas - que foram gravadas por uma testemunha e se espalharam rapidamente pela internet -, o policial Eric Casebolt aparece agarrando a jovem Dajerria Becton pelo cabelo e a atirando no chão. Enquanto ela gritava “ligue para minha mãe”, o agente a deitou de bruços na grama e a imobilizou com os dois joelhos em suas costas, antes de prender seu punhos com um par de algemas. 

Gritando palavrões, Casebolt ordenava aos outros jovens que se sentassem no gramado. Quando alguns se aproximaram do local onde estava Dajerria, o policial sacou sua arma e correu na direção dos adolescentes.

O vídeo foi gravado por Brandon Brooks, que é branco, tem 15 anos e havia sido convidado para a mesma festa da qual a jovem atacada pelo policial. Segundo ele, a intenção era celebrar o fim das aulas. Em sua opinião, a questão racial influenciou a maneira pela qual Casebolt agiu. 

“Eu era o único branco na área quando aquilo estava acontecendo”, disse o adolescente em entrevista ao canal de TV KDAF. “Você pode ver em um trecho do vídeo, quando ele diz para nos sentarmos, ele me ignora e fala para os meus amigos afro-americanos que eles devem se sentar.”

A polícia foi chamada ao local depois de uma briga, também registrada em vídeo, entre uma jovem negra e uma mulher branca. A organizadora da festa, Tatiana Burks, de 19 anos, disse que o problema ocorreu depois de a mulher branca ter feito comentários racistas na direção do grupo de adolescentes afro-americanos.

Brooks afirmou que Dajerria não estava envolvida na briga, que já havia acabado quando a polícia chegou ao local. “Se havia algum problema, eles poderiam ter falado comigo”, disse a mãe de Tatiana, Lashana Burks. Segundo ela, os estudantes convidados para a festa moram nas proximidades de Craig Ranch North. Dajerria foi entregue à sua família na sexta-feira.

A manifestação de segunda-feira ocorreu em frente ao condomínio. Entre os dizeres nos cartazes levados pelos participantes estavam “A cor da minha pele não é um crime”, “Não pisem em nossas crianças” e “Demitam Eric Casebolt”.

Em nota oficial, a polícia de McKinney, cidade onde o incidente ocorreu, disse que os agentes responderam a um chamado sobre “distúrbios envolvendo vários jovens” na piscina no condomínio Craig Ranch North. De acordo com o texto, os adolescentes não moravam na área nem tinha permissão para estar no local. “Os primeiros agentes que responderam (ao chamado) encontraram um grande grupo que se recusava a obedecer às ordens da polícia”, disse a nota. Nove viaturas foram enviadas como reforço. 


Tudo o que sabemos sobre:
EUAracismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.