AFP PHOTO / Lars Hagberg
AFP PHOTO / Lars Hagberg

Policial que se recusou a atirar no suspeito do atropelamento no Canadá é elogiado

Autoridades se recusam a informar o nome do agente, mas um superintendente aposentado da polícia disse que a ação demonstra que se tratava de alguém 'com experiência e maduro’

O Estado de S.Paulo

24 Abril 2018 | 05h40

TORONTO, CANADÁ – O policial canadense que se recusou a atirar no suspeito de atropelar um grupo de pessoas, matando 10 e ferindo 15 no centro de Toronto na segunda-feira, 23, foi elogiado por suas ações diante das ameaças de Alek Minassian, de 25 anos, que afirmava ter uma arma.

+ Suspeito de ataque no Canadá era estudante retraído, dizem ex-colegas de turma

+ Ataque terrorista no sul da França termina com dois reféns, um policial e atirador mortos

O episódio foi filmado por testemunhas. O suspeito apontava um objeto para os agentes, afirmava que estava armado e gritava “Me mate” ao policial, que respondeu “Não, se abaixe”. Minassian insistiu em dizer que tinha uma arma e o agente disse “Não ligo, se abaixe”.

+ Britânico que atropelou muçulmanos em Londres em junho é condenado à prisão perpétua

+ Autor de atropelamento na Austrália recebe 18 acusações de tentativa de homicídio

“É bem claro que o suspeito estava tentando ser executado. Ele procurava um ‘suicídio por polícia”, disse Gary Clement, superintendente aposentado da polícia canadense.

As autoridades se recusaram a informar o nome do agente envolvido na ação, mas, segundo Clement, o modo com que o policial lidou com a situação demonstra que era “um agente com experiência e maduro”.

“Eles são ensinados a usar o mínimo de força possível em qualquer situação”, disse o superintendente aposentado. “Eu diria que o sujeito (suspeito) encontrou o melhor policial, pois ninguém sabe como eles vão reagir. Esse agente agiu de forma bastante madura”. / REUTERS

+ Relembre: Pedestres são atropelados na França

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.