Policial testemunha abuso de menor ao vivo, pela internet

Um homem foi preso depois que um detetive disfarçado viu-o abusar de uma menina, durante um chat ao vivo pela internet, transmitido diretamente da casa do suspeito, informam autoridades canadenses. O homem foi detido e a menina, de idade pré-escolar, resgatada duas horas após o ataque. O caso está sendo descrito, pela unidade de combate ao abuso infantil da polícia de Toronto, como a primeira ocasião em que uma agressão é observada ao vivo. A polícia diz que não informará se há parentesco entre agressor e vítima, para preservar a identidade da menina. "Minha primeira reação foi querer enfiar a mão no monitor e agarrar a criança", disse o investigador Paul Krawczyk, o policial que testemunhou o ataque. "Me deixou de cabelos em pé". Ele alertou a polícia de St. Thomas, uma cidade no sudoeste de Ontário, e as autoridades conseguiram localizar o endereço em duas horas. "Ver esta criança e olhar para os olhos da criança e perceber que a criança estava ao vivo em algum lugar, sofrendo abusos, tínhamos de salvá-la na hora", disse o policial, numa entrevista coletiva. Krawczyk faz parte do setor de exploração infantil, uma unidade de elite da polícia de Toronto, conhecida pelo trabalho de rastrear autores de pornografia infantil pela internet. A Microsoft se uniu aos detetives, no ano passado, para criar um software específico para o rastreamento de traficantes de pornografia infantil. O detetive, que se fazia passar por pedófilo, travou amizade com o agressor numa sala de chat, em janeiro. Depois de conquistar a confiança do suspeito, o policial recebeu, no domingo, imagens gravadas por uma webcam e transmitidas em tempo real para um website, cujo endereço não foi divulgado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.