AP
AP

Polícias da Bélgica e da França identificam mentor dos ataques terroristas em Paris

Suspeito é Abdelhamid Abaaoud, de 28 anos e nascido em Molenbeek, periferia de Bruxelas; passou a ser considerado o maior recrutador de europeus para lutar na Síria

JAMIL CHADE, ENVIADO ESPECIAL / MOLENBEEK, O Estado de S. Paulo

16 de novembro de 2015 | 08h22

(Atualizada às 10h45) MOLENBEEK, BÉLGICA - As polícias da Bélgica e da França identificam o suspeito de ser o cérebro da operação terrorista em Paris: o suspeito é Abdelhamid Abaaoud, de 28 anos e nascido em Molenbeek, periferia de Bruxelas. Além dele, nesta segunda, a França identificou mais dois suspeitos pelos ataques: Ahmad Al Mohammad - que teria realizado o atentado no Stade de France - e Samy Aminour - que teria cometido o ataque à casa de shows Bataclan. 

Com origens marroquinas, o jovem passou a ser considerado nos últimos meses o maior recrutador de europeus para lutar na Síria em nome do Estado Islâmico (EI). Abaaoud teria “organizado e financiado” os atentados a partir da Síria.

Na Bélgica, o terrorista já foi condenado a 20 anos de prisão por envolvimento em outros atentados. Há poucos meses, uma célula terrorista foi desmantelada na cidade belga. Mas Abaaoud conseguiu escapar e viajou para a Síria.

O suposto cérebro da operação ainda tentou circular a informação em meados de 2015 de que teria morrido na Grécia. Em redes sociais, ele distribuiu fotos daquele que seria o seu corpo. Contudo, a polícia logo identificou que as mensagens eram falsas. 

Em um vídeo postado no Youtube em fevereiro ele declara claramente sua intenção de matar. “Por toda minha vida, vi o sangue muçulmano ser derramado. Eu rezo para que Alá rompa as costas daqueles que se opõe a Ele, seus soldados e seus admiradores e que Ele os extermine”, disse.

Seu radicalismo chamou a atenção de muitos, principalmente depois que ele anunciou que levou seu irmão de 13 anos para lutar na Síria.

Buscas. Enquanto as primeiras suspeitas aparecem sobre o atentado, uma operação policial ocorre neste momento no bairro da periferia de Bruxelas. Ao Estado, policiais na região confirmaram que a ação está relacionada com a busca por Salah Abdeslam, um dos supostos autores dos atentados em Paris e que teria escapado para a Bélgica.

"Essa ação está relacionada com os atentados em Paris", confirmou a prefeita do local, Françoise Schepmans. Explosões foram ouvidas no local. Mas ela garantiu que não foram tiros, e sim alertas lançados pela polícia por meio de fogos de artifício para exigir que as pessoas evacuassem o local.

Pelo menos uma pessoa foi detida e saiu retirada pela polícia escondida por uma máscara negra. Policiais confirmaram que não encontraram Abdelsam.

Enquanto isso, em pleno centro de Bruxelas, as ruas Joseph II e a Rue des Deux Eglises foram esvaziadas e fechadas pela polícia. Um alerta à bomba foi lançado depois que um carro com placa francesa foi encontrado com uma mala suspeita dentro. Uma equipe de desminagem está neste momento no local.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.