Política comum para direitos humanos no Mercosul, propõe ONU

A Organização das Nações Unidas (ONU) pede que o Mercosul desenvolva políticas comuns de direitos humanos. Nesta segunda-feira, a Alta Comissária de Direitos Humanos da ONU, Mary Robinson, se reuniu no Uruguai com especialistas e membros dos governos da região para propor que o bloco desenvolva estratégias conjuntas nessa área. "Acredito que a cooperação regional seja essencial para garantir o respeito aos direitos humanos", afirmou Mary Robinson. Para ela, porém, direitos humanos e garantias democráticas são também condições necessárias para fortalecer o processo de integração entre os países da região. Apesar de ser uma união aduaneira, os quatro países do Mercosul assinaram o Protocolo de Ushuaia, em 1998, que reconhece a relação entre democracia, integração econômica regional e respeito pelos direitos humanos. Até agora, porém, pouco foi feito regionalmente para garantir esse respeito. Diante da falta de iniciativas, Mary Robinson pediu que políticas sejam desenvolvidas durante os próximos meses e que, em um ano, a ONU e o Mercosul voltem a se reunir para avaliar a situação do respeito aos direitos humanos na região. Para ela, uma das possibilidades para o Mercosul seria observar a formulação de políticas de direitos humanos na Europa. A Alta Comissária, que já ocupou a presidência da Irlanda, lembrou que a União Européia também foi criada como uma zona econômica, mas ao longo dos anos incorporou políticas de direitos humanos que são respeitadas nos 15 países do bloco. "Acho que esse deve ser o exemplo que o Mercosul deve ter em mente", completou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.