Política de 2 filhos gerará mais 30 milhões de trabalhadores na China em 2050

Autoridades chinesas esperam que a autorização para que os casais do país possam ter dois filhos resulte em mais de 30 milhões de pessoas unindo-se à força de trabalho nacional por volta de 2050, afirmou uma graduada autoridade do país.

Estadão Conteúdo

10 de novembro de 2015 | 09h45

O porta-voz da Comissão Nacional de Saúde e Planejamento Familiar, Wang Pei''an, disse nesta terça-feira em entrevista à imprensa que mais de 90 milhões de mulheres terão a possibilidade de ter uma segunda criança, quando Pequim revogar formalmente a política do filho único e permitir que os casais tenham dois filhos.

A nova política deve gerar mais 3 milhões de nascimentos ao ano no país nos primeiros anos, disse Wang. A China teve 16,87 milhões de nascimentos no ano passado e o afrouxamento da política deve levar o número para quase 20 milhões, em linha com os objetivos populacionais da China, disse a autoridade.

Especialista em Demografia da Universidade de Pequim, Lu Jiehua disse que 30 milhões parece ser uma estimativa conservadora. "Talvez a consideração seja de que a taxa de nascimentos cairá, após alguns anos iniciais", apontou ele.

Wang disse que o sangue novo melhorará a idade média da força de trabalho no país, reduzindo a porcentagem dos mais velhos na população em 2%, além de desacelerar o processo de envelhecimento demográfico. A política deve ser formalmente adotada na primavera local.

Cerca de metade das mulheres que terão direito a ter um segundo filho já estarão na casa dos 40 anos, disse Wang. Ele notou ainda que a China não está pronta para abolir um limite no número de filhos por casal porque precisa gerenciar o crescimento populacional. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Chinanatalidadetrabalhadores

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.