Política mata 3 durante greve no Camboja

Pelo menos três pessoas morreram nesta sexta-feira quando a polícia do Camboja fez disparos contra grevistas do setor de confecção, que exigem elevação do salário mínimo de US$ 80 para US$ 160.

Agência Estado

03 de janeiro de 2014 | 08h24

Segundo Chuon Narin, chefe adjunto da polícia municipal da capital, Phnom Penh, os três mortos e dois feridos estavam num subúrbio no sul da cidade quando a polícia disparou com rifles AK-47 depois que centenas de trabalhadores, que bloqueavam uma estrada, começaram a queimar pneus e a jogar objetos contra as forças de segurança.

Chuon Narin descreveu os manifestantes como anarquistas que estavam destruindo propriedade pública e privada. No início da tarde, os trabalhadores haviam deixado as ruas.

Chan Saveth, observador do grupo de direitos humanos Adhoc, disse que seu grupo contabilizou três mortos e dez feridos, vários deles com ferimentos de tiros.

Os confrontos acontecem num período de tensão política no país. O Partido para o Resgate Nacional do Camboja, de oposição, realiza protestos diários pedindo a renúncia do primeiro-ministro Hun Sen. Ele venceu as eleições realizadas em julho, estendendo mais uma vez seus 28 anos no comando do país do sudeste asiático. A oposição o acusa de ter fraudado a eleição, mas Hun Sen nega a acusação e diz que não deixará o cargo.

Trabalhadores da maioria das mais de 500 confecções do país estão em greve, exigindo aumento do salário mínimo para US$ 160, o dobro do valor atual. O governo ofereceu US$ 100.

Embora as questões eleitorais e salariais não estejam diretamente ligadas, a oposição tem relações próximas com o movimento trabalhista. No domingo, muitos trabalhadores participaram de uma manifestação política organizada pela oposição.

Os trabalhadores representam um força política potente, porque a indústria de confecção é a maior exportadora do Camboja, empregando cerca de 500 mil pessoas em fábricas de roupas e sapatos. Em 2010, o país exportou US$ 4 bilhões em produtos para os Estados Unidos e a Europa. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Cambojapolíciaconflitogreve

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.