Político libanês cobra pronunciamento firme da ONU contra mortes

O líder do maior partido libanêspediu na terça-feira à ONU que amplie sua condenação àviolência política em seu país, que tenta eleger umpresidente. Em encontro com o secretário-geral da ONU, Ban Ki-Moon,Saad Al Hariri citou vários assassinatos de que foram vítimaspolíticos do seu bloco 14 de Março (contrário à influência daSíria no Líbano), disse o próprio Hariri a jornalistas na ONU. O parlamentar cristão Antoine Ghanem se tornou em setembroa sétima personalidade anti-síria assassinada no Líbano desde ohomicídio, em fevereiro de 2005, do ex-premiê Rafik Al Hariri,pai de Saad. Em 25 de setembro, o Parlamento, dividido, abandonou atentativa de eleger um substituto para o presidente ÉmileLahoud, também anti-sírio, cujo mandato expira em 23 denovembro. Os deputados voltam a se reunir em 23 de outubro. "Pedimos uma posição mais firme da ONU diante dosassassinatos e do que está acontecendo no Líbano", disse Haririapós encontrar Ban. (Por Edith Honan)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.