Político que negociava processo de paz é morto no Sri Lanka

O presidente adjunto do Secretariado de Paz do Sri Lanka, Ketesh Loganathan, foi assassinado na noite deste sábado em Colombo, informou o jornal local "Sunday Observer".O assassinato foi cometido por volta das 21h30 (12h30 em Brasília), quando este político de etnia tâmil saía de sua residência no bairro de Dehiwela, em Colombo, e foi alvejado por um grupo de homens armados que ainda não foram identificados.O presidente do Sri Lanka, Mahinda Rajapakse, responsabilizou a guerrilha dos Tigres de Libertação da Pátria Tâmil (LTTE) pela morte de Loganathan."O assassinato de Loganathan faz parte da missão do LTTE de livrar-se dos intelectuais tâmeis que se opõem à violência", assegurou Rajapakse.Os rebeldes, no entanto, não reivindicaram a autoria do assassinato e em sua página de internet afirmam que este foi cometido por "homens desconhecidos".Loganthan foi membro da primeira delegação tâmil a manter conversas com o Governo do Sri Lanka, em 1985, para acabar com o conflito territorial do norte e leste da ilha, representando o partido Eelam People´s Revolutionary Liberation Front (EPRLF), oposto à guerrilha tâmil.Dez anos mais tarde, Loganthan abandonou este partido e trabalhou na organização Centro de Alternativas Políticas e, em abril deste ano, se uniu ao Secretariado de Paz do Sri Lanka, o organismo que coordena o processo de paz no país.Em 1996, o político escreveu o livro intitulado "Sri Lanka: as oportunidades perdidas", no qual analisa o conflito étnico e as maneiras de alcançar a paz.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.