Políticos alertam contra fraude nas eleições na Colômbia

Candidatos ao Congresso que concorrem às eleições do próximo domingo na Colômbia podem estar comprando votos, mesários e ressuscitando mortos cujos nomes não foram retirados das listas eleitorais, em uma tentativa de fraudar a vontade popular, denunciaram nesta terça-feira dirigentes políticos. "O custo da compra de votos e mesários subiu muitíssimo porque a concorrência está muito dura", disse à Associated Press o senador Rafael Orduz.Ele denunciou que se está pagando até o equivalente a US$ 30 por cabeça para ter um mesário amigo ou garantir o voto a favor de um determinado candidato. Orduz acrescentou que o tráfico de votos está ocorrendo em cidades da costa atlântica como Barranquilla e Cartagena e até mesmo na capital Bogotá, e por isso propôs a criação de brigadas cívicas "que sirvam de testemunhas para que o depósito nas urnas e a contagem dos votos se faça de forma legal".Antonio Navarro Wolff, que encabeça uma das 321 listas de candidatos ao Senado, também denunciou que alguns de seus concorrentes estão "distribuindo dinheiro aos montes" e solicitou às autoridades eleitorais que adotem medidas para evitar a compra das cadeiras do Congresso. Navarro Wolff, ex-guerrilheiro do M-19, deve obter a maior votação individual nas eleições parlamentares do próximo domingo, segundo as últimas pesquisas.O ministro do Interior, Armando Estrada, anunciou que já foi constituída uma comissão integrada por funcionários eleitorais e investigadores da Promotoria e da Procuradoria, com o apoio da polícia e das forças militares, para investigar as denúncias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.