Políticos de Ruanda cumprirão prisão perpétua por genocídio

O tribunal para crimes de guerra da Organização das Nações Unidas para Ruanda determinou nesta quarta-feira que os ex-líderes do partido governista eram culpados de genocídio por conduzir o massacre, em 1994, de 800 mil tutsis e hutus moderados, e condenou os acusados à prisão perpétua.

REUTERS

21 de dezembro de 2011 | 09h40

Mathieu Ngirumpatse e Edouard Karemera, que eram presidente e vice-presidente do partido governista MRND na época do genocídio, se declararam inocentes das acusações.

"A câmara condena unanimemente Ngirumpatse à prisão perpétua", disse o juiz que presidiu o julgamento, Dennis Byron, antes de ditar a mesma sentença para Karemera.

Tudo o que sabemos sobre:
RUANDAGENOCIDIOCONDENADOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.