Políticos indianos e paquistaneses reúnem-se em busca da paz

O primeiro ministro da Índia Atal Bihari Vajpayi fez votos para o fim do derramamento de sangue entre a Índia e o Paquistão, em declaração lida neste domingo, em uma reunião parlamentarista nesta capital, assinalando que ambas as nações devem atender a vontade de seus povos e aprender a conviver."A violência e o derramamento de sangue não são soluções. Podemos viver somente se deixamos viver", disse Vajpayi em seu comunicado, que foi lido por um delegado indiano. "Cooperação em vez de confrontação é a resposta a nossos problemas comuns".A conferência, que reúne parlamentares durante dois dias foi organizada por um grupo de jornalistas com representação em ambos os países - um esforço para aliviar tensões entre os vizinhos que possuem armas nucleares.A delegação indiana de 59 membros - 33 legisladores e 26 jornalistas - cruzou a fronteira com o Paquistão na noite de sábado e foi recebida por políticos e ativistas de direitos humanos, que gritavam lemas de paz e jogavam pétalas de rosas.Hoje, os parlamentares dos dois países falaram sobre o futuro de suas nações. "Viemos aqui com uma mensagem de amor e irmandade", disse o legislador indiano Laloo Prasad Yadav. "Todos deveriam contribuir para derrubar o mudo de ódio". Depois da abertura da sessão não foi permitida a entrada dos jornalistas.Além de conversações de paz, os delegados devem incentivar a discussão sobre a Caxemira, região dividida do Himalaya que tanto a Índia como o Paquistão reclamam pela totalidade.Os dois países têm despejado em suas fronteiras centenas de milhares de soldados nos anos mais recentes, sem que tenha ocorrido guerra devido à mediação internacional. Suas relações têm melhorado desde que o primeiro ministro indiano Vajpayi retomou as conversações de paz.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.