Políticos indonésios vendem maconha para financiar campanha

Dois são presos com 12 quilos da droga; legislação do país prevê pena de morte para condenador por tráfico

Efe,

25 de fevereiro de 2009 | 08h33

Dois candidatos ao Parlamento indonésio foram detidos nesta quarta-feira, 25, por vender maconha para financiar sua campanha às eleições de abril e podem ser condenados a pena de morte, que a legislação indonésia prevê para o tráfico de drogas.   Os dois políticos do Partido da Juventude da Indonésia (PPI) foram detidos em posse de 12 quilos de maconha, uma quantidade que no mercado local tem um preço em torno de US$ 2,2 mil, segundo a polícia. A prisão aconteceu no porto de Bakaheuni, no sul da ilha de Sumatra, ao sudoeste do país, quando os dois suspeitos se encontravam a bordo de um navio com destino a Banten, na ilha de Java.   Ao depor à polícia, Reza Fadila e Anshorullah disseram que era a primeira vez que tentavam vender droga e que precisavam do dinheiro para financiar sua campanha eleitoral, segundo o responsável da unidade criminal da Polícia em Lampung, Decepem Hafiz.

Tudo o que sabemos sobre:
Indonésia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.