Polo intelectual vira principal front no Iêmen

Taiz, cidade conhecida por concentrar comércio e cultura iemenita, cai na linha de frente da guerra civil entre tribos e ditador

LAURA KASINOF, THE NEW YORK TIMES, TAIZ, IÊMEN, O Estado de S.Paulo

04 de novembro de 2011 | 03h07

Cidade antiga situada entre os penhascos escarpados do centro do Iêmen, Taiz era outrora conhecida como o centro intelectual e comercial do país. Hoje, ela é o centro de um longo e violento impasse político entre um presidente que se recusa a renunciar e manifestantes que querem sua saída.

Com uma ferocidade nunca vista na capital iemenita, Sanaa, o governo tem atacado os manifestantes de Taiz. Na quarta-feira, forças leais ao presidente Ali Abdullah Saleh bombardearam bairros residenciais depois que militantes locais tomaram o prédio de um ministério. Sete civis foram mortos, incluindo duas crianças.

Mas não se trata de uma batalha sem troco - não em Taiz, onde as tribos se uniram, se organizaram e revidaram. Cinco soldados também morreram na quarta-feira.

Apesar de a atenção se concentrar na capital iemenita, onde os manifestantes estão acampados há dez meses e muitos morreram em confrontos esporádicos, a linha de frente está em Taiz, ou pelo menos parece ser assim que o presidente Saleh e seus aliados encaram a situação.

Eles temem que Taiz se torne para o Iêmen o que Benghazi foi para a Líbia, uma capital improvisada da oposição, onde as forças que buscam a deposição do líder podem se unir, organizar e recrutar seguidores.

"Os partidos de oposição acham que, se Taiz cair, eles podem convertê-la numa Benghazi e usá-la para pressionar o presidente", afirmou Hamoud al-Sofi, governador da Província de Taiz, em sua casa, protegido por uma guarda armada. "Esse não é um conflito entre manifestantes e o governo. É uma guerra, em todos os sentidos."

Os prédios da cidade estão repletos de buracos feitos por tiros e explosões. O comércio está fechado, apartamentos foram abandonados e por todo lado há pichações denunciando o presidente Saleh. O intenso combate em Taiz ofuscou as manifestações, que reuniram apenas cerca de mil iemenitas mais inflexíveis, mas desarmados, enfrentando com coragem a violência e marchando nas ruas. As forças do governo intensificaram suas operações nas últimas semanas, matando pelo menos 30 civis em outubro.

"Para o governo, Taiz é uma província importante", disse Shawqi Hail Saeed, morador e empresário. "Eles acham que é um caso muito grave. Precisam garantir que a cidade fique protegida, que não caia."

Taiz é uma cidade à parte no Iêmen, considerada há muito tempo como o lugar onde a lei, a ordem e a sociedade civil floresceram. Os moradores orgulhavam-se de ter criado um ambiente mais pacífico já existente num país onde os homens normalmente carregam armas e um punhal no cinto, muito semelhante ao Velho Oeste. Em Taiz, isso sempre foi rejeitado.

"Em Taiz, chegamos a um estágio em que você não via pessoas portando nem mesmo um punhal", disse Saeed. Agora não é raro ver homens nas ruas da cidade com uma Kalashnikov a tiracolo. / TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.