Polonesa seqüestrada no Iraque é libertada

Teresa Borcz Khalifa, a polonesa seqüestrada em Bagdá em outubro, reapareceu hoje na Polônia, informou o primeiro-ministro daquele país, Marek Belka. Teresa disse que os seqüestradores a trataram bem, mas recusou-se a revelar como se libertou do cativeiro. "É um momento muito feliz para mim", limitou-se a dizer.Belka também recusou-se a informar como, onde e quando a refém foi libertada mas disse que oficiais de diferentes exércitos tiveram participação na libertação, uma ação conjunta de vários países. "Eu não posso dar nenhum detalhe das circunstâncias desse evento por duas razões. Primeiro, devido às questões de segurança do nosso povo, e também porque nossos parceiros expressaram o desejo de não revelarem nenhum detalhe", afirmou o primeiro-ministro.Há pouco tempo, o presidente da Polônia Aleksander Kwasniewski havia dito que pediu ajuda ao presidente norte-americano George W. Bush para libertar Teresa. Oficiais poloneses não disseram que tipo de ajuda Kwasniewski tinha em mente, porém, as tropas dos Estados Unidos libertaram em junho outro refém polonês e três italianos.Teresa, que vive no Iraque desde a década e 1970 e tem dupla cidadania, foi seqüestrada em 28 de outubro em seu apartamento em Bagdá. A TV al-Jazeera divulgou dois vídeos nos quais ela pedia ao governo polonês para retirar suas tropas do Iraque.Os líderes poloneses descartaram a hipótese de retirada das tropas. A Polônia comanda uma força de segurança de 6 mil soldados de 15 países, incluindo 2.400 poloneses, no Iraque.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.