Poloneses homenageiam figura e obra de João Paulo II

Os poloneses homenageiam neste domingo, 2, com atos em todo o país a figura e obra do papa João Paulo II, no primeiro aniversário da morte do Pontífice. No santuário da Misericórdia Divina de Lagiewniki, próximo a Cracóvia, cidade na qual Karol Wojtyla trabalhou como metropolitano durante muitos anos, foi celebrada uma missa solene presidida pelo núncio apostólico, arcebispo Jozef Kowalczyk. Grande polonês Em sua homilia, o cardeal Stanislaw Dziwisz, secretário pessoal de João Paulo II nos 27 anos de seu Pontificado, lembrou que há um ano um grande polonês se despediu do mundo dos vivos. A cerimônia foi acompanhada por milhares de fiéis, entre eles o presidente polonês, Lech Kaczynski, e o primeiro-ministro, Kazimierz Marcinkiewicz. "Todos lembramos que, naquele momento, o mundo parou, mas ao mesmo tempo se uniu animado por um extraordinário momento de unidade e de reconciliação em homenagem às extraordinárias mudanças que, com seu pastoreio, transformou o mundo", disse o cardeal Dziwisz. Herança O papa polonês "não deixou bens materiais como herança, mas nos deixou seu coração paternal, um coração sempre aberto a todos e sempre disposto a nos ajudar para que alcancemos a felicidade", acrescentou o cardeal. "João Paulo II mostrou quão atual continua sendo o Evangelho e que, com suas doutrinas, também é mais fácil viver num mundo tão complexo como o nosso". O cardeal Dziwisz ressaltou que Wojtyla sempre acentuou a grande importância do sacrifício, "que é o coração do Evangelho". Aprender a perdoar Além disso, acrescentou que "precisamente por isso, porque é preciso viver de acordo com o Evangelho, embora isso exija sacrifícios, ele nos pedia que aprendêssemos a perdoar e a nos reconciliar, e que, animados pelo amor, aprendêssemos a nos ajudar mutuamente". Dziwisz lembrou que João Paulo II, durante sua peregrinação à Polônia, em 1992, advertiu os poloneses do perigo de uma liberdade que não constrói, mas destrói. "Ele nos ensinou que somente um caminho nos conduz para a liberdade autêntica, o caminho que nos leva a servir os outros com amor", reiterou Dziwisz. Fogo da Misericórdia Na cerimônia, o cardeal entregou o Fogo da Misericórdia, aceso por João Paulo II no Vaticano em dezembro de 2003, a representantes dos sacerdotes, das famílias católicas e dos doentes. Wadowice Outro lugar da Polônia em que se sente hoje o amor dos poloneses por João Paulo II é Wadowice, a cidade natal de Karol Wojtyla. Desde sexta-feira, chegam peregrinos de toda Polônia que querem visitar a casa onde João Paulo II nasceu e que, desde ontem, pertence à arquidiocese da Cracóvia, já que foi doada por seu novo proprietário, o empresário Ryszard Krauze. A casa tem um museu dedicado à infância e juventude de Karol Wojtyla e, como foi acertado com a família judaica Balamuth, que era a proprietária anterior, haverá também uma sala lembrando o Holocausto. A nova exposição montada no Museu de Wadowice foi inaugurada hoje pelo bispo Tadeusz Pieronek, reitor da Academia Papal da Cracóvia. Enquanto isso, Varsóvia se prepara para assistir à missa solene da Praça de Jozef Pilsudski, onde o papa pediu ao Espírito Santo que descesse para transformar a face da terra, "da terra polonesa". Esse momento é considerado o começo dos processos que levaram ao surgimento do sindicato Solidariedade na Polônia e, posteriormente, à queda do comunismo na Europa Central e do Leste. A homenagem terminará com um concerto solene realizado nas cidades de Cracóvia, Gandask e Varsóvia com a participação, na capital polonesa, do tenor espanhol Plácido Domingo.

Agencia Estado,

02 Abril 2006 | 13h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.