Polônia confirma mísseis prometidos pelos EUA

O ministro das Relações Exteriores da Polônia, Radoslaw Sikorskim, afirmou hoje que os Estados Unidos se comprometeram a enviar mísseis terra-ar do tipo Patriot para a Polônia, apesar da revisão anunciada pelos EUA de seu plano de escudo antimísseis no Leste Europeu. "O lado americano confirmou que implementará os artigos das declaração política que, eu lembrarei, falam da presença de mísseis Patriot na Polônia", afirmou Sikorski a repórteres em Varsóvia, nesta quinta-feira.

AE, Agencia Estado

17 de setembro de 2009 | 21h06

Sikorski disse que os EUA afirmaram que "os mísseis Patriot serão fornecidos" e terão comunicações e sistemas de comando que "permitirão a esse sistema ser integrado dentro do sistema de defesa polonês antiaéreo e antimíssil". "Isso é algo que queríamos há muito tempo", afirmou Sikorski. O ministro também descreveu como "interessante" o novo projeto de defesa anunciado nesta quinta-feira pelos EUA, para substituir o projetado na administração George W. Bush.

"Ao apresentar a proposta de um novo sistema disperso de defesa antimíssil, os Estados Unidos nos asseguraram que a Polônia também será um país que receberá uma oferta para possuir elementos desse sistema em seu território", notou Sikorski. Segundo ele, isso deve ocorrer em uma base em Redzikowo, perto de Slupsk. O local é onde o escudo antimísseis anterior seria instalado.

Nesta quinta-feira, o secretário de Defesa, Robert Gates, afirmou que Washington deseja enviar mísseis SM-3 para a Polônia e a República Checa em 2015, dentro do cronograma de seu novo programa de defesa antimísseis. Segundo Gates, isso deve ocorrer mesmo que o programa de mísseis de longo alcance do Irã não avance tanto quanto o esperado. A instalação de mísseis no Leste Europeu é um dos pontos mais criticados pela Rússia no programa norte-americano da era Bush. Moscou afirmava que Washington também tinha como alvo o programa balístico russo, o que o governo americano nega. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAescudo antimíssilPolônia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.