Polônia dá sinais de que assinará o Tratado de Lisboa

Um porta-voz do presidente da Polônia, Lech Kaczynski, indicou que o mandatário irá ratificar em breve o Tratado de Lisboa, mas não disse quando, exatamente, ele fará isso. A Polônia e a República Checa são os últimos dos 27 países da União Europeia que ainda precisam ratificar o acordo, que necessita de unanimidade para entrar em vigor. Na sexta-feira, os eleitores da Irlanda aprovaram o tratado, que aumentará o poder de tomada de decisões no bloco europeu.

AE, Agencia Estado

04 de outubro de 2009 | 12h42

Em comunicado publicado pela Agência de Notícias da Polônia, o chefe de assuntos externos da chancelaria de Kaczynski, Mariusz Handzlik, afirmou que "o presidente disse várias vezes que ratificará (o Tratado de Lisboa) sem adiamentos".

"A decisão do presidente de se abster em assinar o Tratado de Lisboa foi uma maneira de expressar solidariedade com a Irlanda, que foi pressionada politicamente a ratificar o acordo", disse Handzlik.

Kaczynski ainda não expressou reação pública à aprovação irlandesa, mas no passado disse que iria ratificar o tratado se ele fosse aprovado pelo povo irlandês.

De qualquer maneira, Kaczynski também associou sua assinatura do tratado a uma nova legislação polonesa que irá esclarecer quem, no país, é o responsável pela política externa - se ele ou o primeiro-ministro Donald Tusk - e essa legislação não foi ainda nem redigida. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.