Polônio é encontrado em restaurante de Londres

Restos de uma substância radioativa de Polonio 210, que causou a morte do espião russo, Alexander Litvnenko, foram encontrados em um restaurante italiano de Londres, segundo a Agência de Proteção de Saúde (HPA) nesta sexta-feira.A agência afirmou que "alguma evidência" de contaminação radioativa foi encontrada no restaurante Pescatori, em Londres, mas medidas para resolver o problema já foram tomadas e o estabelecimento está pronto para a reabertura, e ainda se ofereceu para realizar testes nos funcionários do estabelecimento A agência esclareceu que o restaurante está funcionando normalmente e que não há nenhum perigo ao público. Litvinenko morreu no dia 23 de novembro. Quando estava doente, vítima do envenenamento, ele acusou o Kremlin de querer matá-lo. O caso abalou as relações entre a Grã-Bretanha e a Rússia. Traços de polônio já foram detectados em lugares visitados por dois homens russos que se encontraram com Litvinenko, e nos aviões em que um deles viajou entre Moscou e Londres. Os dois, Andrei Lugovoy e Dmitry Kovtun, encontraram-se com Litvinenko no Hotel Millennium, em Londres, no dia 1o de novembro, o dia em que o ex-espião adoeceu. Um hóspede e funcionários do hotel tiveram radioatividade detectada em seus corpos, mas a HPA disse que nenhum deles corria riscos. A contaminação por polônio também foi encontrada no bar de sushi em que Litvinenko encontrou um contato italiano no dia 1o de novembro. O gerente do Pescatori, Luigi Lavarini, disse à TV BBC: "Não temos lembrança de o senhor Litvinenko ter vindo ao restaurante. Não sabemos quem pode ter sido". Questionado sobre Lugovoy e Kovtun, ele respondeu: "Esse nome não me diz nada. Ninguém com esse nome aparece em nossa lista de reservas". O gerente disse que o restaurante tem muitos clientes russos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.